domingo, 24 de junho de 2012


Diretriz Doutrinária

Diretriz Doutrinária

O Espiritismo ou Doutrina dos Espíritos ou ainda Doutrina Espírita é o conjunto dos ensinamentos ministrados pelos Espíritos Superiores a Allan Kardec, com bases científicas, de conotações filosóficas e de conseqüências religiosas, ético-morais e comportamentais.

O vocábulo ESPIRITISMO, neologismo criado por Allan Kardec, compreende esses ensinamentos, que constituem as Obras Básicas da Codificação Kardequiana: “O Livro dos Espíritos” (18 de abril de 1857), “O Livro dos Médiuns” (1861), “O Evangelho segundo o Espiritismo” (1864), “O Céu e o Inferno” (1865), “A Gênese” (1868), e ainda, as acessórias: “O que é o Espiritismo” (1859), “Viagem Espírita em 1862” , os 12 volumes da “Revista Espírita” ( 1858 a 1869) e “Obras Póstumas” (1890), sendo os adeptos do Espiritismo, denominados ESPÍRITAS ou ESPIRITISTAS.

O Espiritismo tem por postulados básicos: 1) a certeza da existência de Deus, na visão cósmica de que Deus é: Inteligência Suprema, Causa Primária de Todas as Coisas” e o Pai, que Jesus, nos ensina, reverenciando, 2) a Imortalidade da Alma: que se expressa na pré-existência, existência, sobrevivência dos espíritos, 3) nas Vidas Sucessivas ou Reencarnação, 4) na Comunicabilidade dos Espíritos com os Homens ou Mediunidade, 5) na Pluralidade dos Mundos Habitados, que estabelece a Solidariedade dos diversos mundos e a Relação entre os seres.

A Doutrina dos Espíritos tem por principio fundamental o respeito a todas as crenças, sem, no entanto, ter vínculo com cultos materiais ou exteriores, de origem nativa ou primitiva de quaisquer continentes, fetichismo, crenças, seitas, magismos, orientalismos, misticismos, igrejismos, religiosismos, rituais que resultem de quaisquer formas de sincretismo religioso, por se constituir tal Doutrina em religião social, de essência, dinâmica, oriunda do Cristianismo do Cristo, tendo por missão resgatar aquele Cristianismo, primitivo e puro, assumindo-se como Cristianismo Redivivo.

O Espiritismo não é responsável pelo uso indevido da mediunidade para fins ilícitos e comerciais, uma vez que tem como norma, para todas as suas atividades, o “DAI DE GRAÇA O QUE DE GRAÇA RECEBESTES”, recomendado por Jesus, rejeitando quaisquer formas de profissionalismo espírita.

Na Doutrina Espírita: “Estamos defrontados com uma tarefa urgente: desentranhar o pensamento vivo de Allan Kardec dos princípios que lhe constituem a codificação doutrinária, para desentranhar o pensamento vivo do Cristo, dos ensinamentos contidos no Evangelho”. Longe de negar ou destruir o Evangelho, o Espiritismo confirma, explica e desenvolve tudo quanto Jesus de Nazaré disse e fez, tornando mais claras certas passagens que pareciam inadmissíveis, bem como reconhece que a vivência de seus ensinamentos é o objetivo a ser atingido pela humanidade.

Só há um Espiritismo, o que foi codificado por Allan Kardec, não existindo, portanto, diferentes ramificações ou categorias, como “alto” ou “baixo” Espiritismo, “Espiritismo de Mesa”, “Linha Branca”, ”Espiritismo Elevado”, “Espiritismo Kardecista”, “Kardecismo”, “Espíritas Kardecistas”, “Kardecistas” ou outras desse gênero.

O CONSELHO ESTADUAL ESPÍRITA DE UNIFICAÇÃO DO MOVIMENTO ESPÍRITA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, CEEU, interpretando os postulados básicos da Doutrina dos Espíritos – para a qual o verdadeiro culto é o interior – esclarece que no Espiritismo não se adota a prática de atos, uso de objetos e cultos exteriores, tais como:

  • Exorcismos;
  • Sacrifícios de animais e muito menos de seres humanos;
  • Rituais de iniciação de qualquer espécie ou natureza;
  • Promessas, despachos, riscaduras de cruzes, pontos ou hábitos materiais oriundos de quaisquer concepções religiosas ou filosóficas;
  • Rituais e encenações extravagantes de modo a impressionar o público;
  • Talismãs, amuletos, orações miraculosas, bentinhos, escapulários, breves ou quaisquer objetos semelhantes;
  • Confecções de horóscopos, exercícios de cartomancia e astrologia, jogo de búzios ou práticas similares;
  • Administrações de sacramentos como batizados e casamentos, concessões de indulgências, sessões fúnebres ou reuniões especiais para preces particulares, seja a encarnados ou desencarnados, nas chamadas reuniões da saudade; (A Doutrina não se coaduna a nenhum tipo de exclusividade, nem comporta atavismos);
  • Pagamentos e ou contribuições de quaisquer naturezas por benefícios prestados;
  • Atendimentos de interesses materiais para “abrir caminhos”;
  • Danças, procissões e atos análogos;
  • Hinos ou cantos em línguas mortas ou exóticas;
  • Atribuições de Títulos Convencionais, como Presidente de Honra ou Honorário, assim também cargos vitalícios;
  • Paramentos, uniformes, ou roupas especiais;
  • Altares, imagens, andores, ou objetos materiais;
  • Incenso, mirra, fumo, velas, bebidas ou substâncias alucinógenas;
  • Terapias alternativas ou convencionais, desde que descaracterizem o aspecto doutrinário das atividades dos Centros Espíritas, posto que os Centros Espíritas são os locais de divulgação e prática do Espiritismo, do Conhecimento Espírita, da Cultura Espírita e da Terapia Espírita, consagrada pelo Estudo Doutrinário, pelo Atendimento Fraterno Através do Diálogo, do Passe Espírita, da Água Fluidificada, da Prece e das Atividades de Desobsessão.
O Espiritismo não aceita e nem preconiza nenhuma forma de crendices, charlatanismos, embustes, superstições, simpatias, fórmulas mágicas, sinais cabalísticos, símbolos, objetos sagrados, cerimônias, uso de imagens, culto devocional a santos ou patronos, personalismos, formalismos, ou sobrenatural.
O CEEU (Conselho Estadual Espírita de Unificação do Movimento Espírita do Estado do Rio de Janeiro), por fim, só reconhece como legítimos Centros Espíritas as Instituições que vivenciam a Doutrina Espírita tal como está claramente definido nesta Diretriz.
APROVADA PELO CONSELHO ESTADUAL ESPÍRITA DE UNIFICAÇÃO DO MOVIMENTO ESPÍRITA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM REUNIÃO DE 30 de MAIO DE 2004.

domingo, 3 de junho de 2012


O SERMÃO DA MONTANHA

Bem-aventurados os humildes de espírito, porque deles é o Reino dos Céus!  

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados! 

Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra! 

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados!  

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia! 

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão Deus!

Bem-aventurados os pacíficos, porque serão chamados filhos de Deus! 

Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus! 

Bem-aventurados sereis quando vos caluniarem, quando vos perseguirem e disserem falsamente todo o mal contra vós por causa de Mim.

  Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós.

  Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? 

  Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha nem se acende uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos os que estão em casa. Assim, brilhe vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está nos céus.

  Não julgueis que vim abolir a Lei ou os Profetas. Não vim para os abolir, mas sim para levá-los à perfeição. Pois em verdade vos digo: passará o céu e a terra, antes que desapareça um jota, um traço da lei.

  Aquele que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar assim aos homens, será declarado o menor no Reino dos Céus. Mas aquele que os guardar e os ensinar será declarado grande no Reino dos Céus. Digo-vos, pois, se vossa justiça não for maior que a dos escribas e fariseus, não entrareis no Reino dos Céus.

  Guardai-vos de fazer vossas boas obras diante dos homens, para serdes vistos por eles. Do contrário, não tereis recompensa junto de vosso Pai que está no céu. (Mateus, 6:1)

  Quando, pois, dás esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem louvados pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. Quando deres esmola, que tua mão esquerda não saiba o que fez a direita. Assim, a tua esmola se fará em segredo; e teu Pai, que vê o escondido, recompensar-te-á. (Mateus, 6:2-4)

  Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa.

  Quando jejuares, perfuma a tua cabeça e lava o teu rosto. Assim, não parecerá aos homens que jejuas, mas somente a teu Pai que está presente ao oculto; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á.(Mateus, 6:16-18)

  Quando orardes, não façais como os hipócritas, que gostam de orar de pé nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. Quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora ao teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê num lugar oculto, recompensar-te-á. Nas vossas orações, não multipliqueis as palavras, como fazem os pagãos que julgam que serão ouvidos à força de palavras. Não os imiteis, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes que vós lho peçais. (Mateus, 6:5-8)

  Durante o seu discurso sobre a oração, Jesus deu aos homens uma célebre oração, o Pai-Nosso, para ensiná-los como rezar corretamente.

  Pai Nosso, que estais no céu, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso Reino; seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aos que nos ofenderam; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

  Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, abrir-se-á. Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir pão? E, se lhe pedir um peixe, dar-lhe-á uma serpente? Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A Segunda Morte
Vocês já ouviram falar na segunda morte?
Não?!
Uma já é ruim! Imagine mais uma!
Como será que acontece?
Como é possível isso?
Ficaram curiosos?
Então aguardem a próxima postagem,
video
Assistente Social

Pronto, me formei em Assistente Social.
Estou pronto para seguir a minha nova vida que recomeçou no ano de 2000 e teve o seu coroamento neste ano de 2011.
Agradeço a Deus e a Jesus por terem me dado a força necessária para seguir adiante, deixando para trás a lamentações e os choros que não levam a lugar nenhum.
O que importa é seguir em frente aprendendo com as dificuldades do senda.
Agradeço à Doutrina Espírita que me forneceu conhecimentos para que eu conseguisse ultrapassar as pedras que encontrei no caminho. Não desviei por nenhum atalho.
Agradeço as Amigas que Deus colocou ao meu lado, pois quando unimos as nossas forças atingimos a  meta estabelecida.
Agradeço aos Professores que mostraram uma estrada nova, dura, cheia de obstáculos difíceis, mas não impossíveis de serem transpostos. Hoje estou muito mais fortalecido.
Hoje, 09 de janeiro de 2012, dei início à nova jornada cumprindo o prometido, pois o tempo não pára e nós também não podemos parar.
Assumi o lugar de Assistente Social no Centro Espírita Discípulos de Jesus.
Casa Espírita a quem devo muito e que me abraçou quando eu mais necessitava.
Obrigado aos Espíritos Protetores que muito me ajudaram.
Obrigado a Deus, Nosso Pai que está nos céus e a seu Filho, Nosso Irmão e Mestre Jesus Cristo por mais esta vitória.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Por que não haverá o fim do mundo em 2012?

Por que não haverá o fim do mundo em 2012?


Gerson Soares Monteiro.(1)


Isso não acontecerá porque Jesus declarou no Sermão do Monte que os mansos e pacíficos habitarão a Terra. Ele também afirmou que “Quando o Evangelho for pregado em toda a Terra, é então que chegará o fim” (Mateus, 24:14). Essas palavras proféticas de Jesus, com relação ao fim, estão relacionadas com a idéia de tempo e não com a de espaço. Isto é, Jesus se referiu ao fim de uma era, não ao fim do mundo físico. E isto é lógico, pois quando as criaturas humanas estiverem evangelizadas haverá o fim da violência, das guerras, do narcotráfico, e de todo o mal que ainda perdura no coração do homem.
E convenhamos: Deus iria destruir a Terra quando as criaturas estivessem vivendo a mensagem do Evangelho? Ora, a destruição do mundo seria então o prêmio prometido por Jesus aos mansos e pacíficos, que, ao longo do tempo, se esforçaram para implantar na Terra o seu reino de amor e paz? É claro que não! Deus é justo!
O filme 2012, produzido em 2008, nos Estados Unidos é, na verdade, uma tentativa de se criar uma onda de terrorismo psicológico através de um “suposto” fim do mundo. Nessa onda, são exploradas as profecias relativas às transformações pelas quais a Terra está passando para ingressar na Era da Regeneração. A Terra, que é um mundo de Expiações e Provas (2° grau), está passando para o Mundo de Regeneração (3° grau).
Porém, já estamos no ano de 2016, de acordo com a revelação do Espírito Humberto de Campos transmitida por Chico Xavier, em 1937, no capítulo 15 do livro “Crônicas de Além Túmulo”, editado pela FEB. Essa revelação foi ratificada posteriormente através de conceituados cientistas e teólogos, que se basearam em estudos e pesquisas históricas, sobre o erro cometido por Frei Dionísio no ano de 525, ao estabelecer o nosso calendário.
Ora, diante de todas essas evidências, podemos concluir, sem margem de dúvida, que o ano de 2012 já passou, ou seja, já estamos em pleno 2016 e a Terra não foi destruída, derrubando a previsão divulgada de que o mundo acabaria no dia 21 de dezembro de 2012.

(1) Gerson Soares Monteiro é espírita e atualmente é Vice-Presidente da FUNTARSO e publica, todos os domingos, uma coluna no jornal Extra. Este texto foi publicado na edição de 13/11/2011

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A Prece


Quando se fala em prece, a imediata imagem que, de um modo geral, vem à mente das pessoas é a de senhoras idosas ajoelhadas em recintos semiobscuros, numa cantilena ininteligível.
Será que somente os idosos devem orar? Serão somente os deserdados do mundo, os sofredores os que carecem de oração?
Oração é um processo dinâmico de dialogar com Deus. É o elevar a mente para sintonizar com as forças Superiores, de lá extraindo novas energias, ideias.
Sem fórmulas prontas, deve ser ditada pelo sentimento. É um abrir do coração ao Pai amoroso e bom.
Alguns defendem a idéia de que se Deus tudo sabe não há necessidade de se ficar a pedir. Ele dará às Suas criaturas o de que elas necessitam.
O que não se dão conta tais pessoas é de que o Pai realmente tudo sabe, tudo vê, mas a prece tem a virtude de abrir os canais mentais a fim de que se possa entender a resposta. É o tornar-se receptivo ao auxílio.
Será que a resposta sempre vem? Recordamos o ensino de Jesus: Tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vos concederá. A resposta sempre vem.
O que acontece é que, normalmente, não a percebemos. Mesmo porque ela nem sempre nos chega do jeito que se espera.
A resposta Divina, por vezes, é um não. De outras, vem através dos amigos, de uma mensagem, das intuições, e outra vez não nos apercebemos.
E o que pedir? Eis outra dúvida. Defendem muitos que somente se deve solicitar coisas para o Espírito, jamais coisas materiais.
Convenhamos que se vivemos no mundo, necessitamos de algumas coisas materiais. Qual o problema de se rogar pela saúde de alguém?
Qual a dificuldade de se pedir auxílio na busca de um emprego digno, que nos garanta o sustento da carne?
Qual o inconveniente de se rogar a Misericórdia Divina para a fome que castiga o estômago ou para o frio que tortura o corpo?
Contudo, oração não é somente um petitório infindável. Antes de tudo é louvor.
Ao ensinar a orar, Jesus primeiramente louvou o Criador de todas as coisas. Santificado seja Vosso nome.E para ensinar a resignação aos planos celestes, estabeleceu: Seja feita a Vossa vontade.
Só depois é que Ele direcionou a rogativa.
A oração é alimento diário. Na alegria e na dor. Na saúde e na doença. Ante os sucessos ou enfrentando os fracassos.
Orar com sinceridade, sabedor que não será pela extensão da oração que ela será melhor ouvida, mas sim pelo seu conteúdo.
A melhor prece é a do homem de bem.
Orar a Deus, a Jesus, evitando dirigir pedidos a parentes e amigos desencarnados que poderão não ter condições de atender, o que só lhes aumentará a carga de preocupações.
Orar por nós, pelos enfermos, pelos desencarnados, pelos suicidas, em especial, pelos que não nos amam. Orar pelos ­amigos, pois que a prece sustenta.
É do Cristo o ensinamento: Orai uns pelos outros.

* * *

A oração em favor dos que sofrem constitui sempre uma valiosa contribuição para aquele a quem é dirigida.
Não resolve o problema, nem retira a aflição, mas suaviza a aspereza da prova.
Quando a oração é dirigida aos enfermos, ela estimula os centros atingidos pela doença, restaurando o equilíbrio das células.
A oração é sempre um bálsamo para a alma, e se torna medicação para o corpo físico.
A oração acalma, equilibra, dulcifica aquele que ora, propiciando-lhe resultados salutares.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. 20 do livro Momento de meditação, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal